Lançamento Livro As Vacas Também Choram

Este livro é dedicado aos animais de todos os tempos, que sempre nos amaram e nos ajudaram a ver quem somos e para onde estamos indo como humanidade.

No início dos tempos, o Reino Animal, o Reino das Plantas e o Reino Humano coexistiam em paz e unidos. Vivíamos como uma grande família em harmonia, celebrando a vida tão bela e sagrada deste planeta — a esse período chamamos de Paraíso na Terra!

Num determinado momento, chegou o medo e a separação, e os seres humanos começaram a matar, comer e escravizar os animais. A partir de então, as guerras entre os humanos começaram, o medo se instalou entre nós e o sofrimento chegou. Um dia escutei de um grande sábio estas palavras: “enquanto criarmos sofrimento aos animais, as guerras entre os homens não terminarão.”

Foi nesse tempo muito longínquo, em que o sofrimento chegou à Terra, que os animais escolheram se tornar nossos espelhos: cada espécie revela um aspecto do ser humano, das nossas personalidades, experiências e escolhas. As vacas, nesse momento, escolheram representar a energia da “Mãe“. É por este motivo que, na Índia, as vacas andam soltas pelas ruas e não se pode, por lei, ser agressivo com elas.

Este conto escrevi para honrar todas as vacas e agradecer por nos ensinarem sobre a energia feminina da Mãe — a gentileza, dedicação, aceitação, generosidade, sensibilidade e doçura — e também pedir perdão em nome da humanidade por hoje em dia a vaca ser o animal mais torturado, abusado, maltratado e desrespeitado do nosso mundo. Num momento de crise do ser humano, onde os valores de respeito e amor pela Mãe estão se perdendo, a relação que temos com as vacas espelha como tratamos a nós mesmos.

As  vacas  também  choram  conta  uma  experiência  extraordinária  que  vivi  de  verdade. Podem imaginar que foi num sonho ou durante um momento de profunda meditação e entrega, mas ainda hoje vejo as lágrimas da vaca que conheci e sinto o abraço que lhe dei, seu coração batendo forte e sua infinita doçura dentro da minha alma.

Quando voltei dessa aventura, prometi a mim mesma, aos anjos e às vacas que um dia escreveria esta história. Demorei muitos anos para ter coragem de publicar, mas chegou o momento de agradecer e honrar esses e todos os animais — nossos irmãos e amigos.

Desejo que este livro toque o coração de cada um como tocou o meu.

Que o Amor desperte em todos e em todos os lugares.

Angelina Ataíde